Clube de Leitura: “Aqueles tempos”, de Edney Silvestre

Edney Silvestre é uma recente descoberta no meu mundo literário. Depois de ler “Vidas provisórias”, surgiu o interesse de conhecer toda a bibliografia do autor.  Edney Silvestre na Cidade das Artes (RJ), Facebook do autor, 11/01/2014 Vamos começar o nosso Clube de Leitura com “Aqueles tempos” que serve como introdução para “Vidas provisórias”, pois conta como…

Sobre estes anúncios

Resenha: “Vidas provisórias”, Edney Silvestre

Sabe aquele cara competente e bonitão da Globo, voz linda, jornalista consagrado e conhecido por todos? Sim, esse mesmo, Edney Silvestre ou Edney Célio Oliveira Silvestre (Valença, Rio de Janeiro, 27 de abril de 1950). Edney também é um baita escritor de ficção, talvez a melhor faceta de Edney entre tantas geniais! O talento para a escritura começou quando…

Resenha: “Um cão uivando para a lua”, de Antônio Torres

Até antes de ler “Um cão uivando para a lua”, o livro “Essa terra” era o meu preferido. Agora estão empatados, outro “livraço”* de Antônio Torres! O autor escolheu para a epígrafe do livro uma frase genial de William Faulkner: Entre a dor e o nada eu escolho a dor. E você? Antônio Torres e seu…

1º Dia da Feira do Livro de Madri: Luis Goytisolo e Antonio Colinas

As feiras de livros são oportunidades valiosas para conhecer nossos ídolos literários, trocar algumas palavras e “sentir” como é o autor. E dependendo do escritor, esse contato direto com o leitor não lhe beneficia em nada. Foi o caso de Lucía Extebarría em 2010. Depois de conhecê- la em pessoa, me desfiz de todos os seus livros e…

Resenha: “Meninos, eu conto”, de Antônio Torres

“Meninos, eu conto” está “classificado” como literatura infanto- juvenil, mas é adequado para todas as idades. E atenção, professores: altamente recomendado para ler na escola! Antônio Torres (Sátiro Dias, antigo Junco, Bahia, 13-09-1940)  é um mestre do romance, mas aventurou- se também pelo conto e saiu com essas três histórias: Segundo Nego de Roseno, Por um…

Resenha: “Em busca do tempo perdido- No caminho de Swann”, Marcel Proust

(…) Mas, quando nada subsiste de um passado antigo, após a morte dos seres, após a destruição das coisas, apenas o cheiro e o sabor, mais frágeis mas vivazes, mais imateriais, mais persistentes, mais fiéis, permanecem ainda por muito tempo, como almas, a fazer- se lembrados, à espera sobre a ruína de tudo o resto*,…

Resenha: “Seda”, Alessandro Baricco

Era 1861. Flaubert estava acabando Salammbô, a luz elétrica ainda era uma hipótese e Abraham Lincoln, do outro lado do oceano, estava combatendo em uma guerra que o final não veria. (p.25) Conhecendo um pouco da literatura italiana contemporânea. O italiano Alessandro Baricco (Turim, 25 de janeiro de 1958) é jornalista, crítico de música, dramaturgo e prosista. Baricco é…